História

 

 

 

 

 

 

O São João Batista

O São João Batista foi oficialmente inaugurado por Dom Pedro II em 1852, num esforço do imperador para melhorar as condições de salubridade do Rio de Janeiro. Até então, as pessoas eram enterradas nas igrejas e já não havia espaço para tanta gente.

Com uma área de 183.123 metros quadrados antes ocupada pela Chácara Berquó, o terreno foi comprado em 2 de agosto de 1852 com dinheiro conseguido através de venda de títulos de nobreza.

O primeiro sepultamento demorou um pouco a ocorrer porque nenhuma família de boa estirpe queria inaugurar um cemitério. Coube a tarefa à menina Rosaura, um ‘anjinho’ de apenas 4 anos, filha de escravos, em 4 de dezembro daquele mesmo ano.

Até junho de 1855, foram feitos mais 412 sepultamentos. Nos anos seguintes seguiram-se os traslados de diversos túmulos provenientes de igrejas e outros cemitérios, como os restos do poeta Álvares de Azevedo, originalmente sepultado num cemitério da Praia da Saudade destruído por uma ressaca.

Com centenas de ricos mausoléus e sepulturas adornadas por esculturas que são verdadeiras obras de arte (saiba mais aqui), o São João Batista é o único cemitério da Zona Sul, o preferido das famílias abastadas, onde estão enterradas várias personalidades que ajudaram a escrever a história do Brasil, seja na política, na arte, nos esportes e na cultura (ver lista).

 



Mapa do SJB



Confira onde estão as personalidades enterradas no SJB

 

 

 

 

 

 

 



Logo-Queridos

A tecnologia a serviço da memória

 

 

 

 

 

 


Quem visita o cemitério São João Batista encontra um código QR Code em vários túmulos de personalidades da história e pessoas famosas. Basta apontar o smartphone ou tablet na direção do código de barras para descobrir quem está sepultado ali, suas obras, fotos, vídeos, textos biográficos e outras curiosidades (saiba mais). Para isso, é preciso que o celular tenha acesso à Internet e um aplicativo de leitura de QR Code instalado.Bastante usado em cemitérios do Japão e Estados Unidos, o serviço Queridos Para Sempre também está à disposição das famílias que quiserem deixar registrado nas lápides a história dos entes queridos que foram exemplos de vida.“Hoje, com as novas tecnologias, ficou mais fácil eternizar a memória dos nossos antepassados. É uma homenagem bonita e moderna, que as famílias podem deixar para conhecimento das futuras gerações”, explica Lourival Panhozzi, diretor da Rio Pax, concessionária que desde agosto de 2014 passou a administrar o SJB e outros cinco cemitérios da cidade – Jacarepaguá, Irajá, Inhaúma, Campo Grande e Piabas.

 

 

 

 

 

 

 

 


Visitas Guiadas

 

 

 

 

 

 


A exemplo do que acontece nos mais famosos cemitérios do mundo como o Père-Lachaise, em Paris, o Saint James, em Londres, e o Recoleta, em Buenos Aires, o cemitério São João Batista, do Rio de Janeiro, promove mensalmente visitas turísticas guiadas.A iniciativa é da Concessionária Rio Pax, em parceria com o historiador e guia Milton Teixeira.A visita, que dura cerca de uma hora em meia, acompanha a evolução arquitetônica dos séculos XIX e XX e termina no Mausoléu da Academia Brasileira de Letras, onde estão enterrados mais de 60 imortais, entre eles o fundador da ABL, Machado de Assis. Durante o passeio, Milton conta histórias curiosas e divertidas.No São João Batista estão sepultados diversas personalidades, como José de Alencar, Cândido Portinari, Carmem Miranda, Tom Jobim, Santos Dumont, Vinícius de Moraes, Chacrinha, Clara Nunes, Cazuza, nove ex-presidentes da República entre outros.As visitas gratuitas acontecem uma vez por mês, com grupos de até 100 pessoas formados por alunos de escolas, turistas e curiosos.Para agendar sua visita, clique aqui.

 


Calendário

 

 

 

 

 

 

Fevereiro Março Abril Maio Junho
Dia 23, quinta-feira, 9h, tour pelo Cemitério São João Batista.
Guia: professor Milton Teixeira
Dia 30, quinta-feira, 9h, tour pelo Cemitério São João Batista.
Guia: professor Milton Teixeira
Dia 27, quinta-feira, 9h, tour pelo Cemitério São João Batista.
Guia: professor Milton Teixeira
Dia 25, quinta-feira, 9h, tour pelo Cemitério São João Batista.
Guia: professor Milton Teixeira
Dia 29, quinta-feira, 9h, tour pelo Cemitério São João Batista.
Guia: professor Milton Teixeira

 

Agende sua visita aqui

 


O historiador Milton Teixeira

 

 

 

 

 

 


O historiador Milton Teixeira é um apaixonado pela Cidade Maravilhosa. Ainda criança, enquanto os amigos brincavam na calçada, preferia ficar debruçado sobre A História das Ruas do Rio.Carioca de Botafogo, formou-se em Arquitetura, na Santa Úrsula. Foi trabalhando em projetos de reforma de prédios históricos que encontrou seu verdadeiro caminho. Desde então, mergulhou na História. E quando vem à tona é para escrever um livro, produzir um CD-ROM ou colaborar num projeto audacioso.Milton é um dos criadores do Projeto Conheça o Rio a pé, da Riotur, que ensina a História da cidade a turistas. É diretor cultural do Sindicato Estadual dos Guias Turísticos, professor de História em três universidades e sete entidades de atendimento à terceira idade.Ele também realiza passeios turístico-culturais no Polo do Lido, Morro da Conceição/Zona Portuária, Praça XV e arredores, entre outros. É uma referência no tocante à história do Rio.Milton Teixeira fala todas as sextas-feiras sobre histórias do Rio na Rádio BandNews. Coleciona vários prêmios e foi eleito pelo Jornal do Brasil, em 1994, um dos 10 cariocas que mais ajudam a preservar a rica história da Cidade Maravilhosa.

 


Curiosidades do São João Batista

 

 

 

 

 

 

Você sabia?

  • Que por causa do escritor Machado de Assis – cujo desejo era jamais ser separado de sua esposa, que faleceu primeiro -, todos os demais notáveis da Academia Brasileira de Letras ganharam o direito de ter suas companheiras enterradas no mesmo local. Machado foi o primeiro presidente da ABL.
  • Que o São João Batista é o cemitério que abriga o maior números de jazigos de chefes de estado no país, com pelo menos nove ex-presidentes da República, diversos primeiros-ministros da época do Brasil Império, e até um ex-chefe de estado de Portugal.
  • Que o cemitério ocupa uma vasta área de 183.123 metros quadrados, onde era a antiga Chácara Berquó, cujo terreno foi adquirido em 02 de agosto de 1852. Depois, outras propriedades foram sucessivamente compradas para formar o atual espaço do São João Batista.
    • Que o cemitério possui uma quadra reservada para o enterro das irmãs de Caridade de São Vicente de Paulo, como forma de gratidão com as freiras que assistiam os enfermos e asilados da instituição.

  • Que o São João Batista foi o terceiro cemitério púbico da cidade, sendo hoje o mais rico em arte tumular e história.
  • Que o São João Batista abrigou até 2012 o corpo da menina Odete Vidal de Oliveira, chamada de Odetinha, candidata a ser a primeira santa carioca. O processo de canonização se encontra no Vaticano. O corpo de Odetinha foi exumado e levado para a igreja da Imaculada Conceição, em Botafogo.
  • Que o cemitério é o maior museu a céu aberto da estatuária brasileira, com obras dos grandes mestres escultores dos últimos 150 anos até o período atual. Nomes como Bernardelli, Humberto Cozzo, Heitor Usai, entre outros.
  • Que o São João Batista abriga a maior quantidade de famosos compositores e cantores que escreveram grande parte da história da música brasileira. Nomes como Heitor Villa Lobos, Vicente Celestino, Francisco Alves, Carmem Miranda, Ary Barroso, Braguinha, Tom Jobim, Clara Nunes e Cazuza.
  • O túmulo da cantora Clara Nunes é o mais visitado do cemitério São João Batista. Ela se tornou uma espécie de santa popular. O túmulo da cantora vive lotado de placas de pessoas que agradecem pelas ‘graças alcançadas’.
  •  


    Jazigos Famosos

     

     

     

     

     

     



    ABL Panteão onde estão 70 imortais – Localização: Quadra 29 nº 1778-E
    Afonso Arinos – Jurista, político, historiador, professor, ensaísta e crítico – Localização: Mausoléu ABL
    Almirante Alexandrino de Alencar – Militar e patrono do ensino na Marinha – Localização: Q 8 Nº 1286-F
    Álvares de Azevedo – Poeta – Localização: Q 26 Nº 12-A
    Álvaro Alvim – Médico pioneiro da radiologia – Localização: Q 8 Nº 987-F
    Alziro Zarur – Líder da LBV – Localização: Aléa 2 Nº 131-A
    André Rebouças – Engenheiro e Abolicionista – Localização: Q 26 N° 101-A
    Ary Barroso – Compositor – Localização: Aléa 6 N° 476
    Artur Bernardes – 12º presidente do Brasil – Localização: Q 43 N° 730
    Artur Jaceguai (Barão de Jaceguai) – Escritor – Localização: Q 14 Nº 5984
    Artur da Costa e Silva – 27º Presidente do Brasil – Localização: Aléa 4 N°5393
    Augusto Severo – Aviador – Localização: Aléa 2 Nº 72-F

    Benjamin Constant – Militar, professor e líder republicano – Localização: Q 39 N° 1907
    Braguinha – Compositor – Localização: Aléa 7 N° 197

    Cândido Portinari – Pintor – Localização: Q 43 Nº 18144
    Cândido Rondon – Militar e sertanista – Localização: Q 8 Nº 689
    Carlos Chagas – Médico – Localização: Q 8 Nº 833F
    Carlos Drummond de Andrade – Poeta – Localização: Q 18 N° 19099
    Carlos Lacerda – Jornalista, escritor e político – Localização: Q 39 Nº 4218 (perpétuo 4318, quadra 34)
    Carmen Miranda – Cantora e atriz – Localização: Aléa 5 N° 1724E-1
    Cazuza – Cantor e compositor – Localização: Aléa 5 N° 1724E-1
    Cecília Meireles – Poetisa – Localização: Q 13 Nº 8951
    Chacrinha – Comunicador e apresentador de televisão – Localização: Q 2 Nº 3511-A
    Clara Nunes – Cantora – Localização: Q 5 Nº 21952
    Cláudio Besserman Vianna (Bussunda) – Humorista – Localização: Aléa Principal Nº 20503
    Clementina de Jesus – Cantora – Localização: Q 19 Nº 16032
    Clóvis Bornay – Carnavalesco – Localização: Aléa 2 Nº 187

    Didi Folha Seca – Esportista – Localização: Aléa 5 Nº 549
    Dircinha Batista – Cantora – Localização: Q 1 Nº 14292
    Donga – Compositor – Localização: Q15 Nº 17595
    Dorival Caymmi – Cantor e compositor – Localização: Aléa 8 N° 23967

    Emiliano Di Cavalcanti – Pintor – Localização: Aléa 3 N° 19786-A
    Emílio Garrastazu Médici – Militar e 28º Presidente do Brasil – Localização: Q 3 Nº 3747-B
    Eurico Gaspar Dutra – 16º Presidente do Brasil – Localização: Jardim 2 Nº 382-F

    Félix PachecoLocalização: Q 6 Nº 1027
    Fernando Sabino – Escritor e cronista – Localização: Aléa Principal Nº 23963-A
    Floriano Peixoto – Militar e 2º Presidente do Brasil – Localização: Q 25 Nº 185-A
    Francisco Alves – Cantor – Localização: Aléa 5 Nº 519
    Francisco Alves de Oliveira – Livreiro – Localização: Jardim 1º Nº 5217

    Glauber Rocha – Cineasta – Localização: Aléa 12 Nº 4988A
    Graciliano Ramos – Escritor – Localização: Q 16 Nº 16724

    Heitor Villa-Lobos – Compositor erudito – Localização: Q 18 Nº 17942
    Humberto de Campos – Escritor – Localização: Q 3 Nº 10862

    Ibrahim SuedLocalização: Q 5 Nº 23449
    Inglês de Sousa – Escritor – Localização: Jardim 1º Nº 5185

    Janete Emmer Dias Gomes (Janete Clair) – Autora de telenovelas – Localização: Aléa 1 Nº 19993
    João do Rio – Escritor e cronista – Localização: Q 37 Nº 5852-B
    João Luís Alves – Jurista, Escritor e Político – Localização: Jardim 1º Nº 5644
    José de Alencar – Escritor e político – Localizaçção: Q 24 Nº 5634
    João Café FilhoLocalização: Q 43 Nº 39
    José Linhares – Advogado e 15º presidente do Brasil – Localização: Jardim 1º Nº 5634
    José Lins do Rego – Escritor (perpétuo 10805-A) – Localização: Q 3 Nº 10805-A

    Lauro Müller – Diplomata – Localização: Q 8 Nº 784-F
    Lima Barreto – Escritor – Localização: Q 14³ Nº 8024
    Linda Batista – Cantora – Localização: Q 1 Nº 14292
    Lirio Mario Costa Costinha – Comediante – Localização: Quadro 1 Nº 20404
    Lúcio Costa – Arquiteto e Urbanista – Localização: Q 9 Nº 13414
    Luis Carlos Prestes – Militar, político, revolucionário e militante comunista – Localização: Aléa Principal Nº 24004

    Mário Filho – Jornalista, cronista esportivo e escritor – Localização: Q 7 Nº 7890-A
    Mário Lago – Ator e compositor – Localização: Q 21² Nº 16126
    Maysa Figueira Monjardim – Cantora e compositora (perpétuo 245-c, quadra 30) – Localização: Q 30 Nº 245-C
    Miguel Couto – Médico – Localização: Q 5 Nº 335-E

    Nara Leão – Cantora – Localização: Q 28 N° 22280
    Nelson Gonçalves – Cantor – Localização: Q 38 Nº 1146-A
    Nelson Rodrigues – Jornalista, cronista, escritor e teatrólogo (perpétuo 18340-A, quadra 43) – Localização: Q 43 Nº 18340-A
    Nilo Peçanha – 7° Presidente do Brasil – Localização: Jardim 2° N° 532-F
    Nílton Santos – Futebolista – Localização: Q 43 Nº 68

    Olavo Bilac – Poeta – Localização: Jardim¹ Nº 5230
    Oscar Cox – Desportista (perpétuo 2068 – Quadra 38) – Localização: Q 38 Nº 2068
    Oscar Niemeyer – Arquiteto – Localização: Q 3 Nº 10387
    Osório Duque Estrada – Poeta – Localização: Q 12 Nº 9960
    Osvaldo Aranha – Político – Localização: Aléa 1 Nº 19969
    Oswaldo Cruz – Médico sanitarista – Localização: Q 39 Nº 1630

    Padre Guido – Religioso em processo de canonização – Localização: Aléa 1 nº 19960
    Paulo Francis – Jornalista e escritor – Localização: Q 5 Nº 354-E
    Paulo Gracindo – Ator – Localização: Q 14³ Nº 8260
    Pedro Lessa – Jurista e ministro do Supremo Tribunal Federal – Localização: Jardim² Nº 219-F

    Rachel de Queiroz – Escritora – Localização: Q 5 Nº 460-E
    Raul Pompéia – Escritor – Localização: Q 39 Nº 1278
    Roberto Marinho – Jornalista e empresário – Localização: Jardim² Nº 260-F
    Rocha Faria – Médico – Localização: Q 41 Nº 2957
    Rodolfo Bernardelli – Escultor – Localização: Aléa Principal Nº 109-E

    Santos Dumont – Inventor – Localização: Nº 133-E
    Saturnino de Brito – Engenheiro sanitarista – Localização: Q 8 Nº 710-F
    Sérgio Cardoso – Ator – Localização: Q 20 Nº 17369
    Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto) – Localização: Q 9 Nº 12844

    Tom Jobim – Compositor – Localização: Aléa Principal Nº 24013

    Vicente Celestino – Cantor, compositor e ator – Localização: Aléa 6 Nº 514-A
    Vinicius de Moraes – Poeta, diplomata e compositor – Localização: Q 30 Nº 366-C

    Walter D’Ávila – Ator e humorista – Localização: Q 4 Nº 12646

     


    Arte e Arquitetura

    Belezas a céu aberto

     

     

     

     

     

     


    Ao avançar pelos corredores que dividem as quadras do cemitério São João Batista, é possível acompanhar a evolução arquitetônica e artística através dos tempos.O pórtico, em estilo neo-clássico, é obra do arquiteto José Maria Jacinto Rebêlo, o mesmo autor dos Palácios de Petrópolis e do Itamaraty, mais tarde modificado pelo engenheiro da Santa Casa Bettencourt Silva.Nas sepulturas do fim do século XIX e início do XX, predominam o eclético e neogótico. Entre as 1ª e a 2ª Guerras Mundiais, vigoram a geometria e a volumetria típicas do estilo art déco, além de túmulos grandiosos, em alusão à participação das Forças Armadas na batalha; Lá estão as criptas dos soldados brasileiros mortos durante a Primeira Guerra Mundial, dos aviadores do Brasil, dos marinheiros do Encouraçado São Paulo mortos durante a Revolução de 1924 e dos veteranos da Força Expedicionária Brasileira (FEB). As linhas modernistas se fazem notar nas obras a partir da década de 50.
    • Anjo

      arte

    • Arquitetura

      arquitetura

    • Arte

      arte

    • Anjo

      arte

    • Arquitetura

      arquitetura

    • Arte

      arte

    • Arquitetura

      arquitetura

    • Aeronáutica

      arte

    • Anjo

      arte

    • Anjos e Cruz

      arte

    • Anjo

      arte

    • Família Leite Garcia

      arquitetura

    • Anjo

      arte

    • Anjo

      arte

    • Arte

      arte

    • Cruz e Anjo

      arte

    • Floriano Peixoto

      arquitetura

    • Arquitetura

      arquitetura

     


    Igreja do São João Batista reserva histórias do Brasil Império

     

     

     

     

     

     


    Além da suntuosidade de seus mausoléus, da arquitetura que mescla os estilos neoclássico, art déco e modernista, e do grande número de personalidades sepultadas nos seus jazigos, o São João Batista proporciona ao visitante conhecer a sua histórica igreja. Uma capela da época de Dom Pedro II, que prima pela beleza de sua fachada e interior, das imagens sacras que remontam o Brasil Império, e de relíquias ali guardadas.A igreja do São João Batista reserva histórias como, por exemplo, a da menina Rosaura, filha de escravos, que foi a primeira a ser velada na capela e cujo sepultamento marcou época por ter sido o primeiro realizado no cemitério, em 1852.Hoje, a igreja só abre uma vez por semana – segundas-feiras, às 9hs -, quando se realiza missas, e nos dias de Finados. Administrada pela Cúria do Rio de Janeiro, a igreja do São João Batista possibilita a contemplação de suas artes sacras e um mergulho na história religiosa da cidade.

    Veja mais fotos

     

     

     

     

     

     

     


    Contato

     

     

     

     

     

     



    Nome (obrigatório)

    E-mail (obrigatório)

    Telefone

    Assunto

    Sua mensagem


    Endereço: Rua General Polidoro S/N, Botafogo, Rio de Janeiro. RJ.
    Telefone: +55 (21) 3217-3182 (Administração) / (21) 2539-7073 (Capelas)
    Email: saojoaobatista@riopax.com.br