Mais de 250 mil pessoas visitam o cemitério São João Batista no Dia de Finados

igreja-sjbMilhares de visitantes lotaram o cemitério São João Batista nesta quarta-feira, Dia de Finados (02/11). Este foi o terceiro ano em que a data religiosa aconteceu com o cemitério sob a administração da concessionária Rio Pax. Desta vez, o que despertou o interesse dos visitantes foram as reformas de infraestrutura realizadas por todo o espaço, revitalizando os jazigos, capelas, aleias e prédios administrativos.

O público estimado pela Polícia Militar foi de 250 mil durante todo o dia. Para o presidente da Rio Pax, Geraldo Monge, o alto índice de visitação neste ano também se deve às melhorias realizadas no cemitério: “Esse foi um ano com muito mais movimento. As pessoas estão elogiando bastante o paisagismo e as obras no geral. As alamedas, as ruas e a estrutura de administração reformadas passam mais segurança”.

Já na entrada do cemitério o visitante pôde perceber a recuperação das instalações. A parte frontal, projetada pelo arquiteto Francisco Joaquim Bethencourt, teve sua estrutura limpa e restaurada depois de anos de abandono. A concessionária também se tornou responsável pelo estacionamento em frente ao portão principal, mantendo maior controle sobre o fluxo de veículos.

A padronização da aleia principal e das duas primeiras aleias perpendiculares também chamaram a atenção. Para remover os buracos do calçamento, os paralelepípedos foram recolocados e nivelados. “Agora está muito melhor andar por aqui. Antigamente, a gente corria risco de tropeçar, o que é perigoso, especialmente para os idosos”, disse Maria de Fátima, que veio ver o túmulo do marido. Todo o ambiente também passou a ser ornamentado com flores após o investimento em decoração e jardinagem.

Além do calçamento, outras obras promovidas pela nova gestão foram a revitalização das capelas. Fundada em 1852 por Dom Pedro II, a igreja principal passou por um processo de restauração de suas paredes. As demais capelas também receberam ar refrigerado e persianas nas janelas. “Antes, os parentes que acompanhavam os velórios sofriam com o calor e com o sol batendo forte. Então, fizemos o necessário para dar mais conforto aos nossos visitantes”, afirmou o historiador do local, Jaime Valle.

Durante todo o Dia de Finados, o cemitério contou com missas de uma em uma hora, organizadas pela Arquidiocese do Rio em frente ao Cruzeiro no centro da aleia principal. Para o padre José Ricardo, da Igreja Nossa Senhora da Paz, a presença da Igreja Católica é essencial para os fiéis que perderam entes queridos. “A Igreja celebra todos que estão na eternidade. Cremos na salvação e que vamos todos nos encontrar na vida eterna junto a Deus”, disse o clérigo.